Farmacêuticas apostam no exterior

Cluster de saúde

A portuguesa Biotecnol vai exportar componentes de aditivos farmacêuticos para os EUA a partir de 2012, disse à Lusa o presidente da farmacêutica, Pedro Pissarra.

O início da exportação, que surge numa altura em que a empresa está a deslocar da Carolina do Norte para Nova Jérsia a sua sede nos EUA, resulta de uma joint-venture lançada há três anos na África do Sul para a produção de derivados de insulina para aditivos farmacêuticos. "Temos produtos a serem testados em termos de qualidade (nos EUA)" afirmou Pedro Pissarra, que integrou uma missão empresarial do cluster de saúde português a Nova Jérsia. A biotecnológica, cuja totalidade da facturação é proveniente do exterior, quer ainda apostar em breve no Brasil.

Também a Bluepharma aposta na internacionalização. A empresa de Coimbra está a negociar com dois parceiros da China um acordo para produção dos seus medicamentos no país, segundo o vice-presidente, Sérgio Simões. O objectivo "é a Bluepharma ser o fornecedor central na Europa e termos uma unidade de fabrico na China com parceiros", disse o gestor português, que também integrou a missão do cluster farmacêutico nacional aos EUA.

Na lógica da indústria farmacêutica, diz Sérgio Simões, é importante ter dois fornecedores para dar maior segurança aos Clientes, "não estar refém" de um só. O modelo segue o que a Bluepharma já implementou nos EUA, onde licencia genéricos desenvolvidos em Portugal para empresas norte-americanas que os registam em eu nome e comercializam.

Fontes: Jornal "OJE" e autor em 27 de Junho de 2011