ID Logistics vai distribuir mais de 2,6 milhões de vacinas contra a gripe em Portugal

ID Logistics vai distribuir mais de 2,6 milhões de vacinas contra a gripe em Portugal - 

A empresa considera que esta operação funcionará como um “ensaio logístico” para a distribuição de uma futura vacina contra a Covid-19 no nosso país.

O grupo de logística ID Logistics vai distribuir mais de 2,6 milhões de vacinas contra a gripe em Portugal em tempo recorde. O valor corresponde a um aumento de 65% de unidades do que no ano passado.

Segundo um comunicado, “a complexidade desta operação logística em Portugal servirá como ‘ensaio logístico’ para uma potencial comercialização em massa” da vacina contra o novo coronavírus”, uma vez que a organização “conta com uma larga experiência na habitual campanha de vacinação” e “ficará responsável por receber, armazenar, preparar e distribuir” esses fármacos contra a gripe sazonal.

O operador logístico internacional, líder em logística farmacêutica, será responsável pela distribuição de 2,6 milhões de unidades de vacinas no país durante a campanha de vacinação contra a gripe sazonal promovida pela Direcção-Geral da Saúde (DGS), gerindo todo o processo – recepção ao armazenamento, preparação e entrega – a partir da sua ID Logistics Portugal, plataforma localizada na Azambuja.

Os responsáveis da ID Logistics assinala que a empresa “garantirá também o processo de serialização, que visa evitar que medicamentos falsificados entrem na cadeia de abastecimento legal e, dessa forma, garantir maior protecção aos pacientes”.

“A ID Logistics conta com uma vasta experiência na gestão logística da campanha de vacinação, após desenvolvê-la com sucesso nos últimos anos. A campanha de vacinação contra a gripe, que terá início em Setembro, acontece num ano de convulsão na saúde devido à pandemia causada pelo SARs-CoV-2. Por isso, a distribuição de 2,6 milhões de vacinas é de vital importância para evitar o colapso dos hospitais devido à existência da gripe sazonal e do coronavírus”, sublinha o comunicado em questão.

No entender dos responsáveis esta empresa, “a gestão logística de tão grande quantidade de vacinas em tão curto espaço de tempo permite verificar se a logística portuguesa está preparada para fazer face à potencial comercialização massiva de vacinas contra a Covid-19, que exigirá uma distribuição muito rápida”.

“Algumas das ferramentas que tornarão esta tarefa possível são a capacidade da ID Logistics em garantir uma temperatura entre 2º e 8º durante todo o processo de armazenamento e distribuição das vacinas, bem como a sua rastreabilidade; a incorporação de tecnologia, mais especificamente a automação do processo de logística e serialização através de mecanismos de reconhecimento e leitura unitária massiva; bem como a estreita colaboração entre parceiros e clientes para atender a prazos tão apertados, etc”, esclarece o comunicado da ID Logistics.

Hugo Oliveira, country manager da ID Logistics Portugal, afirma que “a complexa operação que envolve a distribuição de 2,6 milhões de vacinas num curto espaço de tempo é um grande desafio que exige uma coordenação logística perfeita”.

“Na ID Logistics, sentimos muito orgulho de poder ajudar os nossos profissionais de saúde através da gestão da logística necessária para agilizar o seu trabalho num momento tão complicado como aquele que vivemos. Além disso, é uma boa oportunidade para mostrar que os operadores logísticos portugueses estão preparados para distribuir rapidamente grandes quantidades de vacinas contra o coronavírus, assim que estiverem disponíveis”, realça este responsável.

A ID Logistics é um grupo internacional de logística que obteve receitas de 1.534 milhões de euros em 2019. A empresa tem mais de 320 instalações em 18 países, incluindo Portugal, representando mais de 58 milhões de metros quadrados de armazéns distribuídos pela Europa, América, Ásia e África. Tem ao seu dispor 21 mil funcionários e uma carteira de clientes distribuída entre sectores como o retalho, detail picking e health e-commerce, por exemplo.

 

Fonte: Site do "Jornal Económico" e autor em 3 de Setembro de 2020.