Saúde força corte de 350 milhões nos medicamentos

Governo está a negociar com os laboratórios farmacêuticos uma redução na despesa com medicamentos.

O Ministério da Saúde está em negociações com a Apifarma - que representa a indústria farmacêutica - para conseguir um novo acordo de redução da despesa com medicamentos. O corte quase triplica as metas inicialmente previstas (de 120 milhões de euros). O objectivo de Paulo Macedo é comprometer os laboratórios com uma poupança que pode ir até 350 milhões de euros este ano, sabe o Diário Económico. Caso a indústria rejeite, o Governo ameaça com "medidas alternativas". Uma delas será a imposição de uma nova baixa administrativa sobre os preços dos medicamentos.

Há precisamente um ano, a então ministra Ana Jorge assinou um protocolo com a Apifarma que previa a redução da despesa com medicamentos em 234 milhões de euros, em 2011, (e que foi mais além ao atingir os 312,1 milhões). E em mais 120 milhões de euros em 2012. Agora, Paulo Macedo quer quase que triplicar a meta: fonte ligada ao processo garante que o novo objectivo se situa entre os 250 milhões a 350 milhões de euros.

"O anterior acordo acabou no ano passado. Está em causa agora ir além da meta da ‘troika' fixada para redução da despesa com medicamentos", revela a mesma fonte, dando conta que os objectivos mais ambiciosos se prendem com o facto de "nos hospitais não ter havido uma redução de despesa como seria desejável", ainda que a despesa com medicamentos no ambulatarório (farmácias) esteja numa "via descendente que se vai manter".

Fontes: Jornal "Diário Económico" e autor em 05 de Março de 2012